Psiquiatria e Sociedade

Mente, cérebro e gente

Psicopatas: um mal necessário?

with 4 comments

Já falei em outra ocasião, mas não custa repetir: psicopata não é sinônimo de bandido. No ano passado introduzi uma aula sobre o tema com a seguinte comparação: nos anos noventa o personagem mau da novela era o vilão, hoje é o psicopata. O Pimenta Neves matou a ex-namorada e foi chamado de vilão, o goleiro Bruno supostamente fez a mesma coisa e foi chamado de psicopata. O Jorginho da Rua Cuba, acusado de matar os pais, era conhecido como assassino, enquanto anos depois a Suzane Von Richthofen ficou famosa como psicopata. Ou seja, estamos usando um diagnóstico para descrever comportamentos criminosos, de maneira superficial e leviana. Isso é um perigo, pois usar instrumental médico para fins sociais é um passo para abuso de poder, basta lembrar d’O Alienista.

Mas eu entendo o entusiamso com os psicopatas. Eles são fascinantes em sua amoralidade, agindo em proveito próprio ignorando quaisquer entraves. Há até um livro sobre isso chamado “Homens maus fazem o que os homens bons sonham”. Para além da ausência de amarras, contudo, há uma hipótese interessante, que diz que no fundo a sociedade e os psicopatas precisam um do outro.

Sabendo que há uma forte influência genética no temperamento e na personalidade dos indivíduos, pode-se perguntar por que os genes de comportamentos tão individualistas não foram extintos, uma vez que as sociedades humanas dependem da cooperação. Pesquisadores franceses, utilizando modelos da teoria dos jogos, acreditam que os psicopatas têm um elevado ganho em interações de curto prazo, já que trapaceiam sempre que podem e levam a melhor às custos do prejuízo alheio, mas com o tempo eles acabam ficando marcados, e as vantagens se perdem, transformando-se em desvantagem. Nesse meio tempo, no entanto, seu comportamento faria com que a sociedade ficasse sempre alerta, preparada para qualquer tentativa de engodo. Esses cientistas imaginam que grupamentos humanos onde não havia sequer uma pessoa com tendência antissocial foram dizimados, ou explorados até a última gota, por não estarem aptos a lidar com o engano deliberado. O equilíbrio entre as vantagens para si e para a comunidade, e as desvantagens para todos explicaria porque a taxa de psicopatas na população se mantém estável em cerca de 1% independente do lugar ou época. Eles seriam um mal necessário.

É uma hipótese. Mas acho difícil testá-la, pois na vida real é muito improvável encontrarmos um grupo sem nenhum psicopata. Quem sabe na próxima novela?

Em tempo: essa é a última semana para concorrer a uma cópia autografada do livro Machado de Assis: a loucura e as leis. Serão dois sorteios, só no twitter. Participe!

ResearchBlogging.org MIRIC, D., HALLETMATHIEU, A., & AMAR, G. (2005). Etiology of antisocial personality disorder: Benefits for society from an evolutionary standpoint Medical Hypotheses, 65 (4), 665-670 DOI: 10.1016/j.mehy.2005.05.027

About these ads

Written by Daniel M Barros

22/02/2011 at 6:53 PM

4 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Muito interessante. É incrível algumas respostas que podem ser dadas recorrendo ao evolucionismo e à teoria dos jogos, quando aplicada a este último.

    Há, claro, sempre o problema de não se poder verificar empiricamente se há correspondência com a realidade, mas não deixa de ser uma incrível ferramenta para testar hipóteses.

    NunoM

    22/02/2011 at 10:05 PM

  2. Estratégia evolutivamente estável? … não sei…

    anuska

    27/02/2011 at 4:45 PM

  3. Filhos de Abel, filhos de Caim, já narrava a biblia. A sociedade é recente demais para a evolução humana. Talvez a própria sociedade em algum momento perceba o gem, e tente eliminá-lo, e aí será o paraíso de Deus?! Especulações, especulações….

    BiaS

    25/03/2012 at 12:40 AM

  4. A sociedade é incrivelmente ingênua quando o assunto é o cérebro humano. Acreditam na existência de pessoas essencialmente boas, mas a maioria se recusam a acreditar que exista gente com uma essência genuinamente má. Sim, a natureza cria os psicopatas por algum motivo, seja essa ideia perturbadora ou não. Creio que a psicopatia não é culpa sequer dos próprios portadores dela, eles nascem assim e podem até sofrer em algum momento ao perceberem que não controlam seus instintos. A verdade é que essas pessoas vão despertar curiosidade e admiração até o fim dos tempos, pois pessoas que agem de acordo com seus próprios princípios são consideradas superiores, são temidas, são amadas inconscientemente, e pode ser que a grandeza delas seja justificável num mundo cheio de regras, padrões e medo constante de ser quem você realmente é. OBS: Não sou formada em psicologia e nem psiquiatria, só quis deixar minha opinião.

    Ana

    26/06/2014 at 4:21 PM


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 841 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: