Psiquiatria e Sociedade

Mente, cérebro e gente

Um presidente pode ser burro?

leave a comment »

“Eu não quero ser presidente. Vocês estão cometendo um grande erro. Você tem que ser inteligente para ser presidente. Deixe-me ser vice-presidente, esse é o trabalho para um verdadeiro idiota.”, reclama entre suspiros o ansioso personagem do Woody Allen em sua comédia Bananas, de 1971. Por uma sucessão de situações improváveis, esse judeu novaiorquino e neurótico acaba sendo levado a assumir a presidência de San Marco, uma fictícia república das bananas. Contra sua vontade, como deixa claro o protesto no qual ele levanta um ponto importante: seria mesmo necessário um alto QI para ser presidente?

Leia a íntegra no Portal Estadão.

Written by Daniel M Barros

02/06/2015 at 1:43 PM

Publicado em Uncategorized

Quer dizer que pode estuprar gay?

leave a comment »

Em nossos tristes tempos em que a capacidade de diálogo se esvai nas redes sociais, quando tudo é preto ou branco e quem não é a favor é contra, torna-se difícil comentar a decisão do juiz argentino Horacio Piombo expressando discordância e compreensão ao mesmo tempo. Sim, porque é possível compreender o raciocínio que levou à decisão de reduzir a pena de um estuprador porque sua vítima, de 6 anos, era gay e já fizera sexo antes. Mas ser capaz de compreender não significa concordar – pessoalmente considerando a decisão abjeta.

Leia a íntegra no Portal Estadão.

Written by Daniel M Barros

20/05/2015 at 9:32 AM

Publicado em Uncategorized

Como é fácil fingir que é fácil sequestrar uma criança

leave a comment »

O sucesso de um vídeo mostrando como seria fácil sequestrar crianças espalhou culpa e terror pelas mães conectadas à internet. Mas era uma espécie de pegadinha, não um experimento social de verdade. E nós não precisamos levar pegadinhas tão a sério.

Leia a íntegra no Portal Estadão.

Written by Daniel M Barros

12/05/2015 at 12:48 PM

Publicado em Uncategorized

Educar para desobediência

leave a comment »

Dar educação é algo muito diferente de educar. Na verdade, é o oposto. Educar é ensinar como encontrar a verdade; dar educação é ensinar como escondê-la. Educar é promover o desenvolvimento do raciocínio, estimular a capacidade crítica, encorajar o aprofundamento nas questões. Dar educação é ensinar a não falar o que se está pensando, não apontar o que se está vendo, não se alongar em assuntos impertinentes. Educar cria gente incômoda. Dar educação cria gente acomodada. Mas ambos são necessários.

Leia a íntegra no Portal Estadão.

Written by Daniel M Barros

28/04/2015 at 6:31 PM

Publicado em Uncategorized

Entre a preguiça e a ansiedade

leave a comment »

Depois de anos de procrastinação – o adiamento da realização de tarefas necessárias indefinidamente – descobrimos que outro problema nos ronda: a precrastinação. Mas antecipar tarefas desnecessariamente pode ser só uma forma de continuar adiando o que realmente precisa ser feito.

Leia a íntegra no Portal Estadão.

Written by Daniel M Barros

22/04/2015 at 10:42 AM

Publicado em Uncategorized

Sofrimento e desperdício – a ideologia e a política no Déficit de Atenção

leave a comment »

No meio de qualquer briga geralmente quem apanha é o mais fraco. É por isso que quando há brigas ideológicas no nível das políticas públicas, quem sofre mesmo é a população. Se forem crianças, então…
Tomemos o caso do Déficit de Atenção. Poucos diagnósticos são mais patrulhados, debatidos e questionados do que o famigerado TDAH.

Leia a íntegra no Portal Estadão.

Written by Daniel M Barros

14/04/2015 at 4:17 PM

Publicado em Uncategorized

Vou contar uma história – jornalismo, ciência e empatia

leave a comment »

O homem é um animal que conta histórias. Das narrativas mitológicas à História como ciência, dos contos de fada na hora de dormir às complexas tramas nos seriados políticos, vivemos cercados delas. As notícias de jornal, os processos legais, os prontuários médicos, a conversa no jantar, os posts nas mídias sociais, tudo só faz sentido quando é contado como uma história. Especula-se muito quais seriam as razões para tanto – provavelmente a característica sequencial dos eventos que nos cercam e a incrível habilidade do cérebro em identificar (e criar) padrões está por trás disso. Mas seja qual for a causa, a verdade é que quando existe um estrutura dramatúrgica, um arco narrativo, nossa atenção é captada com mais facilidade, memorizamos melhor e (…)

Leia a íntegra no Portal Estadão.

Written by Daniel M Barros

08/04/2015 at 10:10 AM

Publicado em Uncategorized