Psiquiatria e Sociedade

Mente, cérebro e gente

Assustadoramente normais

with 3 comments

[tweetmeme]
O caso de José Agostinho Bispo Pereira foi comparado ao do austríaco Joseph Fritzl, o que levou um repóter a me pedir um artigo breve de análise do caso. Ele começou a abusar da filha quando ela tinha 12 anos e, desde então, vivia maritalmente, mantendo-a em cárcere privado. Teve com ela sete filhos, e abusava também de uma filha-neta. A pauta acabou derrubada, e como o texto não foi publicado, transcrevo-o abaixo – não chega a ser grande novidade para os que já acompanham nossas ideias, mas nunca acho demais repeti-las:

“Todas as vezes em que crimes como o de José Agostinho Bispo Pereira chegam às manchetes, juntamente com os detalhes que vão aparecendo surge a suspeita de que essa é uma pessoa perturbada. Seu ato consegue ser ainda mais cruel do que os muitos casos de abuso sexual, já que manter a filha por quinze anos em cárcere privado, abusando não só dela, mas também dos filhos-netos, vai além de qualquer coisa que possa ser chamada de normal.

Confrontada com tais casos a sociedade volta-se para a Psiquiatria, perguntando como isso pôde acontecer e o que pode ser feito com tais pessoas. As respostas que temos a oferecer, contudo são poucas, porque ser anormal não implica em ter um transtorno mental. Sabe-se que a maioria dos criminosos não tem qualquer doença psiquiátrica e que a maioria dos abusadores de crianças não tem sequer o diagnóstico formal de pedofilia.

Diante da dura conclusão de que maldade existe de forma independente da loucura, a Psiquiatria não pode se arrogar a dizer qual a origem do mal. Além dos fatores psicológicos, uma infinidade de outros – sociais, culturais, econômicos, religiosos – influi na gênese dos crimes, mesmo dos mais bárbaros. E assim, por frustrante que seja, não conhecemos sua cura. Como a junta de psiquiatras concluiu sobre o carrasco nazista Eichman, as pessoas podem ser extremamente más e, ainda assim, ser “assustadoramente
normais”.”

Written by Daniel M Barros

14/06/2010 às 11:34 PM

3 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Boa tarde, desculpe a “invasão” mas realmente este tema revolta muito. Porque é que os MAUS t~em que ter sempre “desculpa”? A meu ver quando se é doente precisa-se de ajuda, ok, não há volta, agora quando se é mau há-de haver outra solução. Não perbeo…juro que não. Aqui em portugal todos os criminosos tb são desculpados como doentes mentais…doentes nada, e as vitimas? Não serão elas as necessitadas de apoio psiquiátrico? Enfim…

    sonhadora

    23/06/2010 at 2:11 PM

  2. Ótimo artigo Dr. Daniel, parabéns…
    Inevitavelmente me veio à cabeça o índice da maldade, que o senhor certamente conhece, criada pelo Dr Michael Stone. Eu, como um estudante de medicina (pretendo ser Psiquiatra), gostaria de saber sua opinião em relação a tal escala, se considera possível e conveniente mensurar algo tão subjetivo. Desde já grato. Abraço

    Eduardo Jorge

    27/06/2010 at 4:34 AM

  3. O jornal perdeu a oportunidade de não cair na vala comum…


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: